“Um Dia Sem Sorrir, é um Dia Desperdiçado” O Mundo Dos Doutores...

“Um Dia Sem Sorrir, é um Dia Desperdiçado” O Mundo Dos Doutores da Alegria

1415
Compartilhe
unilab.edu.br

“Trabalhando com o Dr. Lambada, visitamos uma paciente que havia sofrido um grande trauma. Ela não falava, e tínhamos dúvida sobre se ouvia. Era uma situação confusa e, na nossa santa ignorância, fomos tateando, buscando uma forma de comunicação. A música nos pareceu um veículo bem aceito. Fizemos a brincadeira do “atirei o pau no gato” e, em vez do “miau”, vinha sempre um cacarejo ou um relincho. Ela estava alerta e na terceira vez em que cantamos, veio em meu socorro: bem pertinho do meu ouvido, moveu os lábios. Menos pelo sussurro e mais pelo ar expirado, entendi um “miau”. Final feliz. Acertei finalmente a música e fomos embora, sob o olhar eufórico da fisioterapeuta, que nos disse ser a primeira vez que ela se concentrava em relação de estímulos por mais de alguns segundos. Na visita seguinte, a mãe dela pediu para ela nos contasse o que havia acontecido desde o nosso último encontro. “Voltei a falar”, disse ela. Descobrimos que ela e uma amiga tinha sido atropeladas, a amiga morrera na hora e ela perdera a fala.”  Dra. Ferrara

Este relato compõem um livro intitulado “Soluções de Palhaços” de Morgana Masetti, cuja a proposta é reunir as vivencias marcantes para um grupo de Doutores da Alegria. Estas pessoas que dispõem de seu tempo, empenho e dedicação, a fim de  obter como pagamento um sorriso. E a proposta deste texto é te transporta para o mundo deles, que por um momento você se imagine sendo um palhaço, onde o mundo é um grande palco, onde o único limite é a imaginação e o objetivo é simplesmente sorrir.

O palhaço é um explorador, que está em uma busca constante pela alegria que existe em cada um de nós, que muito se vê perdida em meio a momentos de dificuldades, fragilidade e tristeza.  E mesmo em condições e ambientes que remetem a tristeza, o palhaço tem a incrível capacidade de ver essa alegria que encontra-se escondida. Ele é doutor sim! Mas um doutor em besteirologia, formado na escola da alegria, cura sim…não o corpo, mas a alma.

“Nós, besteirologistas, acreditamos que mesmo na doença tem um lado da gente que está saudável e é isso que a gente procura estimular”, explica Wellington Nogueira, fundador dos Doutores da Alegria. O grupo foi formado quando o ator conheceu um trabalho pioneiro em Nova Iorque onde estudava para ser artista da Broadway. Clown Care Unit™, fundado em 1986 por Michael Christensen, revolucionava hospitais pediátricos americanos com a receita da alegria. (“DOUTORES DA ALEGRIA, O FILME”, 2005)

Internet/Divulgação
Internet/Divulgação

Segundo Oliveira & Oliveira (2008), a implementação do projeto no Brasil, iniciou-se em 1991 no hospital Nossa Senhora de Lourdes, em São Paulo, pelo Wellington Nogueira  e simultaneamente surgiram projetos similares na França e Alemanha. 

Os Doutores da Alegria fazem parte de uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, mantida por patrocinadores e sócios mantenedores, que realiza cerca de 50 mil visitas por ano a crianças hospitalizadas no Estado de São Paulo, Rio de Janeiro e Recife. (OLIVEIRA & OLIVEIRA, 2008)

A formação original dos Doutores da Alegria que mantem-se atualmente é composta por atores, que passam por uma seleção rígida. Porém existem grupos similares em todo o pais que inspiram-se na formação original, mantendo o objetivo de trazer alegria a quem à muito esqueceu de sorrir, porém formados por profissionais, estudantes e entre outros de diferentes áreas. Não é tão simples ser Doutor da Alegria, é necessário realizar um cursos específicos para a atividade, os cursos auxiliam no autoconhecimento, desenvolvem habilidades e técnicas da arte de ser palhaço.

 O Centro de Estudos Doutores da Alegria surge devido à necessidade de ampliar os conhecimentos que cercam tal projeto, sistematizando suas ações nos hospitais e relacionando-as ao desenvolvimento da saúde, agregando artistas e profissionais com o mesmo propósito. Também visa propiciar aperfeiçoamento para os artistas que compõem o grupo, além de disponibilizar bibliografias para alunos e demais representantes de outras entidades. (OLIVEIRA & OLIVEIRA, 2008)

O processo de formação de Doutor da Alegria é uma caminhada, que proporciona uma transformação, do eu, do outro e do mundo. Uma vez que se coloca/tira o nariz vermelho você não deixa de ser o palhaço e o palhaço não deixa de ser você, entretanto esse simples nariz é a chave que liberta o melhor que há em você…a sua “melhor metade”.

“Quando eu estou com o meu nariz e minha roupa eu posso falar e fazer coisas que de cara limpa estaria arriscado a ser levado a sério, a levar uma porrada. Quando eu ponho o código eu aviso as pessoas: eu sou diferente e eu posso falar essas coisas” (Depoimento – “DOUTORES DA ALEGRIA, O FILME”, 2005).

Existem requisitos essenciais para ser um Doutor da Alegria e estes são: desejar realmente fazer o bem, estar preparado para mudanças e estar disposto a permanecer nessa busca constante por simples, porém sinceros…sorrisos, pois “Aonde for preciso transformação, o palhaço estará lá” (Depoimento – “Doutores da Alegria, O Filme”, 2005). E a atuação ocorre em asilos, abrigos e hospitais, onde houver pessoas que precisam lembrar de sorrir, eles estarão lá dispostos a faze-los lembrar de sorrir.

vibreleve.com
vibreleve.com

A atuação originou nos hospitais, onde iniciam perguntando aos enfermeiros e/ou médicos se existem restrições para cada paciente, contato e entre outros, para que possam iniciar as visitas, entram em cada quarto fazendo palhaçadas, contando piadas, fazendo mágicas, cantando canções e tocando instrumentos, uma vez que “Toda criança hospitalizada tem um ponto em comum: todas querem estar lá fora, brincando, levando uma vida saudável”  (Depoimento – “Doutores da Alegria, O Filme”, 2005).

É sempre a mesma coisa: eles vão a cada leito, brincam, sem distinguir qual é a criança… Por exemplo, mesmo que exista uma criança com problemas neurológicos, que aparentemente não esteja entendendo nada, eles tratam como se ela estivesse entendendo tudo, brincam ali com a criança, como fazem com todas as outras, não diferenciam de acordo com a patologia… É como se todos estivessem entendendo tudo e brincando do mesmo jeito. (A – Técnica de Enfermagem – OLIVEIRA & OLIVEIRA, 2008)

O palhaço através das brincadeiras, palhaçadas, canções, magicas e entre outros, nos transporta pra um mundo magico onde não existe o ridículo, só existe a possibilidade de ser feliz. Onde não importa em que situação você se encontre, em uma cama de hospital ou longe de sua família, nesse mundo você pode ser quem você quiser e ir aonde desejar, pois o limite é a sua imaginação. Neste lugar não existem regras ou tarefas, sua única obrigação é não deixar, nunca deixar…de sorrir. Por que QUEM AJUDA A SORRIR, AJUDA A VIVER!

“ Obrigada a todos os Doutores Palhaços, por teres metido o nariz no coração de tantas crianças”.

Referências

MARA, M.  “Doutores da Alegria, o filme”. Documentário – 2005.

MASETTI, M. Soluções de Palhaços – Transformações na Realidade Hospitalar. Ed. Palas Athena, 2002.

OLIVEIRA, R.R & OLIVEIRA, I.C.S. Os Doutores da Alegria na Unidade de Internação Pediátrica: Experiências da Equipe de Enfermagem. Esc. An na Nery, Rev. Enferm, 2008 jun; 12 (2): 230 – 6.

TV CULTURA. Cultura no Intervalo – Doutores da Alegria. 2005.

VELLARDI, M. Doutores da Alegria. 2006. Acessado em 01 de Outubro de 2015 às 14h32min. Link de acesso: http://informacaoexpressa.blogspot.com.br/2012/07/doutores-da-alegria.html.

Views All Time
Views All Time
1787
Views Today
Views Today
1

Comentários

comments