A Psicologia por trás dos Eleitores de Donald Trump

A Psicologia por trás dos Eleitores de Donald Trump

856
Compartilhe
BRIAN SNYDER / Reuters

O novo Presidente Donald Trump é amado e odiado. Com uma base de fiéis apaixonados por suas ideias e discursos, algumas vezes, chocantes, Trump segue uma linha de suicídio político, mas parece que isso deu certo.

Mais perturbador que todo seu discurso e forma de se colocar frente ao seu eleitorado, é a psicologia por trás de seus apoiadores, de seus defensores incansáveis, que acreditam que Trump está sempre certo. Até mesmo ele chegou a declarar estar surpreso “Eu poderia atirar em alguém no meio da 5ª Avenida e ainda assim eu não perderia votos. Isso é incrível!”.

Bom, foi isso que o site Psychology Today procurou discutir e analisar por meio de alguns estudos.

O EFEITO DUNNING-KRUGER

Algumas pessoas acreditam que os eleitores de Trump são ignorantes e mal informados, por isso, creem em qualquer coisa que ele diga. Por exemplo, se ele diz que o crime está crescendo de forma imparável nos EUA, seus eleitores tomam aquilo como uma verdade absoluta. 

Talvez a solução seria demonstrar argumentos e dados de especialistas, embasados na realidade, para que fosse possível convencê-los. Mas, parece que nem isso tem adiantado.

O efeito Dunning-Krueger explica que, na verdade, o ponto não é se seu eleitorado está mal informado, mas sim, que eles nem fazem ideia de que estão completamente alheios a este fato.  Para eles, aquilo é tomado como verdade, o que não gera qualquer movimento com o objetivo de compreender o que realmente tem acontecido.

Como afirmou o psicólogo David Dunning, no site Politico: “O conhecimento necessário para ser bom em determinada tarefa, no geral, é o mesmo que ajuda a reconhecer que alguém não é bom nessa mesma tarefa — e se a pessoa não tem esse conhecimento, ela continua ignorante ao fato de que ela não é boa nessa tarefa. Isso inclui julgamento político”. Resumindo, como afirmou o neurocientista Bobby Azarian, “a pessoa não é esperta o suficiente para descobrir que ela é burra”.

E se alguém possui a ideia de que tem conhecimento suficiente, ou até superior, não adianta apresentar dados e argumentos, simplesmente nada vai mudar

HIPERSENSIBILIDADE À AMEAÇA

A ciência mostra que o cérebro de pessoas conservadoras costuma ter uma resposta de medo exagerada quando confrontado com estímulos percebidos como ameaçadores.

Então, como isso ajuda a explicar a lealdade cega de alguns eleitores do Trump?

Essas respostas cerebrais são automáticas e não são influenciadas pela lógica ou pela razão. Dessa forma, enquanto Trump continuar a estimular o medo, contra muçulmanos, mexicanos e imigrantes, muitas pessoas serão mantidas pelo estímulo ameaçador.

O medo mantém seus seguidores fiéis assustados, dando a sensação de que eles encontraram seu protetor, deixando-os menos preocupados com questões que, normalmente, seriam vista como altamente ofensivas.

TEORIA DO GERENCIAMENTO DO MEDO

Uma teoria desenvolvida pela psicologia social ajuda a explicar porque a tática de propagação do medo de Trump é eficaz. Estamos falando da Teoria do Gerenciamento do Medo.

Segundo esta ideia, a inevitabilidade da morte de alguém cria um terror existencial e uma ansiedade que estão sempre prontos a aparecer. Para lidar com essas sensações, as pessoas se apegam a visões de mundo que as ajudam a dar significado á vida, como religião, ideologias políticas ou uma identidade nacionalista.

A Teoria do Gerenciamento do Medo prevê que sempre que uma pessoa é lembrada de sua mortalidade — através da disseminação do medo—, ela tende a se apegar mais às pessoas que tem visões de mundo semelhante as suas, comportando-se de maneira mais agressiva com quem discorda de suas ideias.

Um estudo conduzido pelo psicólogo Tom Pyszczynski, da Universidade do Colorado,  revelou que ao destacar a mortalidade de estudantes americanos, eles se tornavam mais aptos a apoiar intervenção militar extrema — ou seja, com morte de civis. Logo, não precisa ser expert na teoria para descobrir porque os comentários ofensivos de Trump só fazem com que ele cresça mais.

ALTO NÍVEL DE ENGAJAMENTO

Em um experimento recente, o neurocientista Ryan McGarry colocou participantes para assistirem a 40 minutos de propaganda política e debates eleitorais da campanha norte-americana. Ele constatou que Trump tem a notável habilidade de prender a atenção do cérebro das pessoas por muito mais tempo do que a candidata democrata Hillary Clinton — mesmo dos eleitores que não concordam com ele. Tudo isso por conta de sua comunicação clara e simples.

“A lealdade dos apoiadores de Trump pode ser explicada pelo vício dos americanos em reality shows. Para algumas pessoas, não importa o que Trump tem a dizer já que ele é divertido o bastante”, afirma Azarian. Sim, os anos como apresentador de O Aprendiz -demitindo as pessoas- lhe renderam algumas vantagens.

Views All Time
Views All Time
322
Views Today
Views Today
2

Comentários

comments