Pavlov no Cinema: Condicionamento Respondente em Jogos Vorazes

Pavlov no Cinema: Condicionamento Respondente em Jogos Vorazes

3004
Compartilhe

E quando estamos concentrados no desenrolar da estória em Jogos Vorazes – A Esperança Parte 1 nos deparamos com a seguinte situação: Peeta foi submetido ao Telessequestro, que é um condicionamento pelo medo. O que isso significa? Será que a psicologia explica?

Sim, a psicologia explica. Mais precisamente a Análise Experimental do Comportamento. O Telessequestro pode ser baseado no Condicionamento Respondente (também chamado de Condicionamento Clássico ou Condicionamento Pavloviano). Inicialmente é preciso esclarecer a diferença entre Comportamento Respondente e Comportamento Operante.

O Comportamento Operante é aquele em que as respostas emitidas são controladas pelas consequências produzidas no ambiente. É um comportamento aprendido. Este processo permite entender como as pessoas se comportam de maneira diferente perante o mesmo estimulo, pois ao longo da vida do individuo observa-se um processo de variação e seleção. No caso dos operantes, na relação entre o estimulo antecedente e a resposta ocorre uma emissão de comportamento.

A resposta encontrada no Comportamento Respondente não é modelada a partir da história pessoal do individuo. Nele, a resposta faz parte do repertório de um organismo de determinada espécie. Ou seja, é o conjunto de ações que o organismo realiza sem que ocorra a aprendizagem. É reflexo e inato.  Diante de uma relação estímulo – resposta em um contexto respondente o estímulo elicia uma resposta reflexa.

Para respostas reflexas do organismo a um determinado estímulo que não precisaram de aprendizagem usa-se o termo Incondicionado para se referir tanto ao estímulo (US) quanto à resposta (UR).

naoleveavida.blogspot.com.br

A partir dos reflexos inatos pode-se eliciar novos reflexos através do condicionamento respondente, os chamados Reflexos Condicionados. Este tipo de condicionamento permite que o comportamento reflexo inato seja modificado de acordo com as necessidades de adaptação do organismo às mudanças do ambiente.

Um dos estudiosos do condicionamento respondente foi o russo Ivan Pavlov. A partir de 1927, Pavlov sistematizou uma metodologia para estudar o condicionamento respondente. Nessa época, ele estudava a atividade digestiva de cachorros quando percebeu que os cachorros não salivavam apenas quando tinham comida na boca (reflexo incondicionado), mas também quando viam a vasilha de comida e até mesmo quando viam o tratador. Dessa forma Pavlov supôs que a resposta de salivar perante esses outros estímulos havia sido aprendida. Para testar essa hipótese, utilizou-se de experimentos que usavam o pareamento regular entre estímulos neutros (NS) e o estimulo incondicionado. Como?

Basicamente, tocava-se um som (estímulo neutro) sempre que a comida era colocada na boca do cachorro (estímulo incondicionado) e coletando as gotas de saliva que eram produzidas (resposta incondicionada). Após alguns dias em que este procedimento era realizado regularmente, foi apresentado apenas o som (estímulo condicionado) e verificou-se a ocorrência da salivação (resposta condicionada).

Resumidamente, o estímulo neutro passa a eliciar uma resposta reflexa resultante do pareamento desse estímulo com outro eliciador incondicionado ou condicionado. A partir do momento em que o estímulo neutro passa a eliciar uma resposta, ele passa a ser denominado como estímulo condicionado (CS). E a resposta, embora semelhante à resposta eliciada incondicionalmente, passa a ser chamada de resposta condicionada (CR), uma vez que esta é eliciada por condicionamento e não por reflexo inato.

menteemvoga.blogspot.com.br

O pareamento de estímulos pode ocorrer em diversas configurações temporais e cada uma delas possui um efeito diferente na força do condicionamento. O estímulo neutro pode ser apresentado antes ou depois do estímulo incondicionado ou condicionado. Quando o estímulo neutro é apresentado imediatamente antes do estímulo incondicionado, o condicionamento se torna mais eficaz do que se fossem apresentados ao mesmo tempo. Contudo, quando o estímulo neutro passa a ser apresentado após o estímulo incondicionado dificilmente consegue-se realizar um condicionamento.

Para manter os efeitos do condicionamento respondente é necessário que ocorra o pareamento novamente de tempos em tempos. Observa-se que quando este pareamento não ocorre novamente ocorre um processo de extinção da relação reflexa condicionada (extinção respondente) em que aumentado o tempo de exposição ao estimulo condicionado e a ocorrência da resposta diminui-se a magnitude da resposta até que alcance os níveis próximos aos observados antes do condicionamento.

No filme, a imagem de Katniss (estímulo neutro) é pareada com o estímulo tortura, obtendo-se a resposta de medo. Assim, após a exposição prolongada, Katniss passa a ser estímulo condicionado que elicia em Peeta a resposta condicionada de ter medo. 

meublogdostributos.blogspot.com.br

O condicionamento respondente explica alguns comportamentos comuns, como por exemplo, nossas emoções. Explicando: diversos eventos ambientais ocorrem pareados aos estímulos incondicionados em nosso dia a dia, de modo que passam a eliciar as mesmas respostas reflexas, tornando-se dessa forma estímulos eliciadores condicionadores. Assim, o coração bate quando escutamos uma música que tocava quando estávamos com a pessoa que gostamos; quando sentimos medo de um cachorro depois de ter sido mordido.

Vários casos de fobias podem ser resultados de condicionamento respondente. E os estudos nessa área possibilitam o surgimento de técnicas de intervenção embasadas nas propriedades do Condicionamento Respondente.

Referências

ABREU, Cristiano Nabuco de; GUILHARDI, Hélio José. Terapia comportamental e cognitivo-comportamental: Práticas clínicas. São Paulo: Roca. 2004.

HÜBNER, Maria Marta Costa; MOREIRA, Márcio Borges (orgs). Temas clássicos da psicologia sob a ótica da análise do comportamento. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2012.

Views All Time
Views All Time
1829
Views Today
Views Today
3

Comentários

comments