Lidando com a Deficiência: Os Pais São Pessoas Antes de Tudo.

Lidando com a Deficiência: Os Pais São Pessoas Antes de Tudo.

64
Compartilhe

Duas pessoas se casam, têm um filho e se tomam, por definição, pais. Esse conceito as coloca em um papel aceito e definido especificamente para elas pela sociedade e, até certo ponto, por elas próprias também. Portanto, quando isso não acontece, desestrutura uma série de sentimentos de frustração por não terem suprido suas expectativas e da sociedade.

Os pais de crianças excepcionais não estão, sob qualquer aspecto, mais “preparados” do que os outros pais para as exigências de mudanças e adaptações com que se defrontam à época do nascimento de seu filho. No entanto, com freqüência, cobra-se deles que sejam super seres humanos e que, com pouca ou nenhuma opção, enfrentem de súbito sentimentos estranhos e confusos em relação a si mesmos e ao filho. Além disso, espera-se que compreendam problemas médicos complexos, ligados à deficiência da criança que, em questão de poucos dias, assimilem e integrem todos esses fatores, de forma que possam aceitar e assumir as responsabilidades adicionais do novo e misterioso papel que a deficiência física irá desempenhar em sua vida diária.

Os profissionais freqüentemente se esquecem do fato de que dar à luz uma criança deficiente não altera a realidade de que esses pais continuam a ser pessoas como todas as outras e impõem a eles exigências excessivas. Ameaçam-nos com afirmações do tipo: “A menos que parem de rejeitar essa criança, nada podemos fazer para ajudar”. E de modo ainda menos realista, insistes para que os pais “aceitem essa criança excepcional de imediato!”.

É imperativo que vejamos e ajudemos os pais de deficientes a se verem primeiramente como pessoas, iguais a todas as outras, com as mesmas forças, limitações e variações mentais e físicas decorrentes. Eles não precisam de início aceitar coisa alguma, pois os pais só podem dar aos filhos, e também às outras pessoas, o que têm e sabem.

Portanto, o primeiro passo no processo de cuidar das crianças excepcionais está na aceitação do fato óbvio de que os pais dessas crianças são apenas humanos e, como tais, terão de enfrentar as próprias necessidades especiais e conscientizar-se de seus sentimentos verdadeiros, perdendo os temores em relação a estes. Haverá momentos de dúvida e até de fracassos, mas, à medida que se arriscam, envolvendo-se e experimentando alternativas recém descobertas para os sentimentos e comportamentos, verão se eu ilimitado e o mundo expandirem-se.

Precisa cair por terra o olhar rígido à esses pais. É necessário a compreensão de que esses pais são pessoas em primeiro lugar, pais em segundo, e só então pais de uma criança deficiente.

REFERÊNCIAS

Ed. Os deficientes e seus pais / Leo Buscaglía; tradução de Raquel Mendes, — 5ª ed. — Rio de Janeiro: Record, 2066. Tradução de: The disabled and their parents

Views All Time
Views All Time
314
Views Today
Views Today
1

Comentários

comments