4 Lições da Série “How I Met Your Mother” que a Psicologia...

4 Lições da Série “How I Met Your Mother” que a Psicologia Explica

7270
Compartilhe

“Crianças, eu vou lhes contar uma incrível história. A história de como conheci a mãe de vocês.” Ted Mosby.

 Premiada sitcom estadunidense da CBS retrata a história de um pai, o arquiteto Ted Mosby, que em 2030 decidi contar a seus filhos a legendária saga de como o mesmo conheceu a mãe deles, e de como na vida nada acontece por acaso.

Dividida em nove temporadas How I Met Your Mother (Como eu conheci sua mãe), é um prato cheio para aqueles que buscam compreender o comportamento humano e entender a si mesmos acerca de suas escolhas, além de trazer em si o toque de humor mesclado com valiosas lições que nos marcam pelo resto de nossas vidas.

  • Lição: O sacrifício do amor verdadeiro com Lily Aldrin e Marshall Eriksen.

Quem nunca sonhou em viver um romance regado de extrema emoção como aqueles escritos por Nicholas Sparks que atire a primeira pedra.

Uma das grandes buscas dos seres humanos é e sempre será encontrar a pessoa dita como ideal aquela com quem de fato poderá se partilhar momentos e grande parte de toda uma história. É a partir disso que ao adentrarmos a história de Lily e Marshall notamos constantemente que a paixão evolui em amor, ao observarmos que apesar dos anos de convívio, tidos como “perfeitos”, não foram suficientes para abarcar a vida e os sonhos de Lily, a qual ao mudar para São Francisco e supostamente abandonar Marshall, coloca um novo toque ao sentimento dos dois: a realidade.

Só a partir da realidade que o amor verdadeiro pode ser construído, onde a retirada das projeções e idealizações sob o outro podem ser de fato compreendidas e transformadas a partir do relacionamento real, nos ensinando que o amor é uma construção diária, onde devemos nos atentar para o que o outro de fato é e sermos corajosos para entrar em um relacionamento a partir da verdade que o outro nos oferece.

“Todo amor verdadeiro profundo é um sacrifício. Sacrificamos nossas possibilidades, ou melhor, a ilusão de nossas possibilidades. Quando não há sacrifício, nossas ilusões impedirão o surgimento do sentimento profundo e responsável, mas com isso também somos privados da possibilidade da experiência do amor verdadeiro.” Carl G. Jung

  • Lição: É preciso fazer as pazes com o nosso passado se quisermos prosseguir com Barney Stinson.

Com grandes questões envolvendo o relacionamento familiar, mesmo que com um toque de irrealidade, Barney nos incita a pensar se de fato o que acontece na infância fica na infância, e de como podemos lidar com o abandono e rejeição de figuras tão importantes em nosso desenvolvimento, onde a alienação parental se esconde em meio à trama.

Ele nos mostra que apesar de crescer envolto em resistências e idealizações acerca do pai, a escolha de viver a realidade que se apresentou a ele foi decisiva na construção de uma nova percepção em relação à vida e ao amadurecimento nos ensinando a olharmos para nossos problemas de maneira as resolve-los, tendo sempre a certeza de que podemos sim ser responsáveis pelo nosso destino, mesmo com os diversos percalços que viemos a passar a nossa escolha pode afetar o rumo das coisas.

“Eu não sou o que me acontece eu sou o que escolho me tornar.” Carl G. Jung.

  • Lição: Não há problema algum em sermos nós mesmos com Robin Scherbatsk.

Se há de fato algo que podemos observar em Robin é a sua autenticidade. Onde a mesma se assume de fato como é, não buscando, na maioria das vezes, se encaixar em padrões estabelecidos pela sociedade, mas sim buscando seus projetos e sonhos.

Scherbatsk é a representação da mulher contemporânea, que abdica da ocupação de apenas uma posição para ganhar o mundo e tudo que planeja, nos ensinando que o nosso caminho é apenas o nosso caminho e que se encaixar em algo para sermos aceitos pode ter seus ganhos, a primeiro momento, mas que nada supera o fato de sermos quem somos e trilharmos a nossa jornada.

“Descobri que sou mais eficaz quando me posso ouvir a mim mesmo, aceitando-me, e quando posso ser eu mesmo.” Carl Rogers

  • Lição: Nunca estamos sós quando temos bons relacionamentos com Ted Mosby.

O grande sonhador Mosby, dentre tantas lições, nos mostra em toda a sua história algo precioso: Nunca estamos sozinhos quando temos grandes amigos. Mesmo com diversas falhas e alguns momentos necessários para o amadurecimento de Ted, seus amigos sempre estiveram ali, auxiliando e compreendendo sua busca interna nos ensinando sempre a ter uma relação de amor com as pessoas, desenvolvendo nossas melhores capacidades e construindo um caminho regado de proteção e amparo, no qual devemos sempre desenvolver a empatia e o perdão.

04

“Como fica forte uma pessoa quando está segura de ser amada!” Sigmund Freud

Views All Time
Views All Time
980
Views Today
Views Today
1

Comentários

comments