Jung e a Interpretação dos Sonhos

Jung e a Interpretação dos Sonhos

7080
Compartilhe

Sonhar é uma experiência humana universal. É uma experiência que acontece em nossa mente enquanto dormimos, mesmo nas pessoas que dizem não se lembrar. A sensação é que o que acontece é real, e só percebemos que não quando, ao acordar, analisamos seu conteúdo.

Um sonho envolve acontecimentos que não são vividos no mundo real: súbitas mudanças de tempo e lugar, mudanças de idade, presença de pessoas que não conhecemos ou que já morreram, presença de animais fantásticos que nunca existiram. A mudança da própria identidade do ego de um personagem para outro, ou talvez de personagem nenhum, como se o ego onírico observasse aos acontecimentos de uma posição flutuante e onisciente.

Pesquisadores descobriram que é na fase REM (rapid eye moviments) do sono, que acontece os sonhos e que se formos acordados nessa fase, provavelmente nos lembraremos do que estávamos sonhando.

rspress.com.br

Na psicologia Junguiana, o sonho é considerado um processo psíquico natural, regulador, equivalente aos mecanismos compensatórios do funcionamento corporal. A nossa percepção consciente é apenas uma parte do que captamos, outra parte, ainda maior está no inconsciente.

Existem três maneiras possíveis de se ver o sonho como atividade compensatória: o sonho pode compensar distorções temporárias na estrutura do ego, levando o individuo a um entendimento mais abrangente das suas ações. Por exemplo, quando você está com raiva de alguém, mas por questões ideológicas resolve não dar vazão a essa raiva, então sonha que está furioso e tendo ações que julga, erradas.

Outra maneira é a auto representação da psique, que pode colocar uma estrutura do ego em funcionamento face a face com a necessidade de uma adaptação mais rigorosa ao processo de individuação.  Isso geralmente acontece quando a pessoa se desvia do caminho que julga como correto. Um exemplo é sonhar com Deus, ou anjos, ou uma voz falando que ela está se desviando do caminho. Pessoas religiosas julgam esse tipo de sonho como revelação.

Uma terceira forma de ver os sonhos é percebê-los como uma tentativa de alterar diretamente a estrutura de complexos sobre os quais o ego consciente se apoia.  Um exemplo são sonhos que nos leva a realizar tarefas que mudam a estrutura do nosso ego, nossa forma de pensar, de julgar, de agir.

Prof Isaura Silva

É importante perceber qual mensagem o sonho passou para o ego e também analisar os sonhos subsequentes, pois uma interpretação de sonhos envolve um diálogo contínuo entre o ego e o inconsciente.

Basicamente, os sonhos servem para compensar e complementar a visão que o ego tem da realidade. A interpretação de um sonho permite que se preste atenção na direção que o processo de individuação está se desenrolando e o que se passa no inconsciente.

Views All Time
Views All Time
5081
Views Today
Views Today
5

Comentários

comments