Epigenética em Diálogo com a Psicologia

Epigenética em Diálogo com a Psicologia

2861
Compartilhe

Darwin é muito citado por sua teoria da evolução, dizendo que as espécies passam por adaptações que possibilitem sua sobrevivência. Pois bem, meus caros, as adaptações vêm pautadas no ambiente atual que sugerem a sobrevivência mas não exatamente as produz.

 imagem

Fonte: imprensaregional.cienciaviva.pt

Para começar, o que é Epigenética?

São características de organismos unicelulares e pluricelulares que são estáveis durante as divisões celulares, entretanto não permitem modificações na sequência de DNA desse organismo. Essa modificação pode ser entendida pelas experiências vividas pelos pais no ambiente que são passadas aos filhos.

 imagem02

Fonte: comoves.unam.mx

 

Ainda está confuso? Então me responde;

Quem tem mais chances de apresentar um quadro de estresse no decorrer da vida?

  1. Maria, que nasceu no Brasil, em 1993. Uma gravidez programada em um período bom para família.

  2.  João, que nasceu em Nova Iorque, em Janeiro de 2002. Uma gravidez conturbada, visto que sua mãe vivenciou o 11 de Setembro em sua gestação.

Você acertou se marcou B. Mas por quê? Porque o ambiente interfere diretamente na herança epigenética, por um processo chamado metilação, que silencia alguns genes.

Um naturalista do século XVIII, Jean Baptiste Lemarck, nos presenteia com um ótimo exemplo sobre a girafas. Ele nos diz que os ancestrais das girafas tinham como costume forçar seus pescoços para alcançar as folhas mais altas das árvores. Este fato fez com que o pescoço dessas girafas se desenvolvessem a ponto de se tornarem um pouco maiores. E essa característica foram passadas e geração a geração o pescoço da girafa ia aumentando até chegar a girafas que conhecemos hoje.

 

A Epigenética e a Saúde

Atualmente há muitos estudos que relacionam a epigenética, a psicologia e o câncer.

Em todos eles aparece como ressalva o fator estresse como desencadeador da manifestação da doença.  Isto pois o estresse vivenciado pode gerar danos ao DNA.

Esses estudos, em sua maioria, trabalharam estudando gêmeos monozigotos (gêmeos idênticos) afim de confirmar a importância do ambiente. Os resultados obtidos mostram que os irmãos que tinham hábitos alimentares ruins, eram fumantes e apresentavam condições desconfortáveis no ambiente de trabalho suscitaram, em sua maioria, a manifestação do câncer.  Nos fazendo pensar que mesmo com a mesma formação genética a vivencia individual pode ocasionar essas mudanças.

 

Então algumas dicas:

– Se alimentar bem não te deixará apenas com uma pele linda, mas também poderá evitar doenças causadas por este fator.

– Dormir moçada… Preciso pensar bastante pra achar duas coisas que me deixem mais feliz que dormir. É um processo fisiológico. Necessário. Então, durma.

– Organize uma rotina (realista) calculando desde já os contratempos. Eles acontecem o tempo todo, mas ao ser antecipando você evita frustações.

– Evite, ao máximo aborrecimentos. Sabe aquele irmão chato? Tranca no banheiro (brincadeira).

 

 

A Epigenética e o Comportamento

Os genes herdados pela epigenética podem influenciar, também, o comportamento. Para contextualizar eu te digo…

  1. Você é menino e seu pai ficou careca antes dos quarenta. Você tá com medo de ficar também? Pode ser que você fique. Preocupe-se com essas entradinhas que estão aparecendo.

  2. Sua mãe é bem medrosa. Morre de medo de barata. Não pode ver uma que corre. Você se lembra que quando era pequena matava uma quando ela aparecia. Mas agora, corre tão rápido quanto a sua mãe.

  3. Sua mãe é bem ansiosa. E para controlar essa ansiedade ela começou a fumar. Durante a gestação de seu irmão ela tentou parar, mas não conseguiu. Seu irmão, hoje, tem 5 aninhos e é obeso.

 

Quais desses advém de fatores epigenéticos?

Tempo…

imagem03

Fonte: Mercadolivre.com

 

Tempo esgotado…

 

O 1, é um fator puramente genético. Com os alelos combinados te dará ou não a possibilidade de ser careca.

 

O 2, moçada, é um fator de comportamento aprendido. Você passou a vida vendo sua mamãe correndo da barata. Se ela tá correndo, porque é que eu não vou correr?

 

O 3 é o fator epigenético. A mãe sofreu influência do ambiente, a ansiedade, o fumar. O bebê herdou essa ansiedade mas seu escape foi comer para aliviar essa ansiedade.

 

As pesquisas atuais tornaram propenso a reflexão a ter uma vida sadia tanto física como social e psicologicamente. As atividades que exercemos podem estar relacionadas a nossa saúde. E até a nossos comportamentos.

 

 

 

Bibliografia:

FANTAPPIÉ, M. ‘Epigenética e Memória Celular’ Revista Carbono 2013, Novembro de 2014. Disponível em <http://revistacarbono.com/artigos/03-epigenetica-e-memoria-celular-marcelofantappie/>

ALMEIDA, A. V. e FALCÃO, J. T. R. ‘Piaget e as Teorias da Evolução Orgânica’ Universidade Federal de Pernambuco. Psicologia: Reflexão e Crítica 2008, Novembro de 2014. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/prc/v21n3/v21n3a22>

 SOUSA, T. S. e GONÇALVES, J. C. ‘A influência do estresse no processo cancerígeno’ ICESP, Novembro de 2014. Disponível em <http://nippromove.hospedagemdesites.ws/anais_simposio/arquivos_up/documentos/artigos/9fc630df2b1426573beb2a0bb300a41b.pdf>

 BARREIROS, J. ‘Um olhar sobre o Desenvolvimento das Acções: Uma perspectiva Epigenética’ Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana. Novembro de 2014. Disponível em <http://www.fmh.utl.pt/Cmotricidade/dm/textosjb/texto_2.pdf>

 CORREA, H. e ROCHA, F. F. ‘Abuso e negligência na infância e comportamento suicida: pode a epigenética interligá-los?’ Revista Psiquiatra Rio Grande do Sul 2011. Novembro de 2014. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/rprs/v33n1/v33n1a01.pdf>

PIRES, G. N., TUFIK, S., GIOVENARDI, M. e ANDERSEN, M. L. ‘Comportamento materno em ciência básica: pesquisa translacional e aplicabilidade clínica. Revista Einstein 2013. Novembro de 2014. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/eins/v11n2/pt_21.pdf>

Views All Time
Views All Time
2333
Views Today
Views Today
2

Comentários

comments