ROTINA ESTRESSANTE? CANSAÇO DIÁRIO? APRENDA DICAS PARA VIVER MELHOR

ROTINA ESTRESSANTE? CANSAÇO DIÁRIO? APRENDA DICAS PARA VIVER MELHOR

535
Compartilhe

“A palavra cuidar provem da palavra coidar, a qual, provem do latim ‘cogitare’, que significa ‘pensar’; sua etimologia também se relaciona com sentir uma inclinação, preferência ou preocupação por… O que significa, que para cuidar não só se requere fazer coisas; se faz necessário, antes que isso, pensar. É um ato um tanto intelectual e teórico, como prático” (Pinzón, 2000 citado por Tobón)

Para cuidar da vida e da saúde se requer desenvolver habilidades pessoais, para optar por decisões saudáveis; as estratégias e mecanismos para desenvolver tais habilidades se relacionam com a autogestão, a educação, a informação e o autocuidado, tudo isto através da comunicação.

As habilidades pessoais marcam o estilo de vida das pessoas e a forma como elas se cuidam. A ideia de “estilo de vida saudável” se refere à maneira de viver e aos padrões pessoais de conduta, que estão influenciados pelos fatores sociais, culturais e pessoais; tais como as atitudes, hábitos e práticas individuais ou familiares, que podem influenciar positiva ou negativamente sobre nossa saúde.

Os três tipos de cuidados

1.    Cuidado ou assistência a outros: esta forma de cuidado corresponde à atenção sanitária, que se faz à pessoa doente em uma instituição de saúde ou as ações que são realizadas por cuidadores de família, vizinhos, parteiras e demais agentes informais de saúde da comunidade. Todos têm o objetivo de recuperar a saúde.
02

Fonte: Kromi

2.   Cuidado entre todos: o cuidado entre todos é chamado de autocuidado coletivo e se refere as ações organizadas e desenvolvidas em colaboração entre os membros de uma comunidade, família ou grupo, com o fim de procurar um meio físico, social afetivo e solidário, por exemplo, a disposição do lixo, o tratamento coletivo de água, etc. sempre em busca do bem-estar comum.

plattiny

Fonte: Plattiny

3.   Cuidado de si: corresponde ao autocuidado individual e este conformado por todas aquelas medidas adaptadas pela pessoa, como gestor de seu autocuidado.

corre mulherada

Fonte: Corre Mulherada 

Este último tipo de cuidado vou abordar de um modo mais abrangente, mas isso não implica que os dois primeiros tipos de cuidado não sejam de igual importância.

 

O conceito de autocuidado

doutissima

Fonte: Doutissima

O autocuidado se refere aos atos, decisões e práticas cotidianas que realiza uma pessoa, família ou grupo para cuidar de sua saúde; se utilizam por livre decisão, com o propósito de fortalecer ou restabelecer a saúde e prevenir doenças. 

O autocuidado é reciproco à capacidade de supervivência e às práticas habituais da cultura as que pertencem, porém é necessário reconhecer que o sujeito é um ser sócio histórico que esta imersa em um contexto dinâmico que constantemente está influenciando ele, mas ao mesmo tempo este sujeito influencia seu ambiente.

Entre as práticas de autocuidado se encontram:

  • Alimentação adequada as necessidades
  • Medidas higiênicas
  • Controle do estresse
  • Habilidades sociais
  • Resolução de problemas interpessoais
  • Atividade física
  • Comportamentos seguros
  • Recreação
  • Controle do tempo livre
  • Diálogo
  • Adaptações favoráveis as mudanças no contexto em que vive

Dentro dos diferentes Estilos de Vida, existem dois tipos de práticas: as que favorecem ou as que afetam a saúde, as que produzem fatores de proteção e fatores de risco.

Os fatores de proteção são aqueles aspectos internos ou externos que possibilitam o equilíbrio ou aumentam os níveis de saúde.

Os fatores de risco são os eventos que provocam o aumento da probabilidade de adoecer.

Como resposta a estes fatores, as pessoas desenvolvem certas práticas, por exemplo, em relação ao aumento dos fatores protetores, eles começam a realizar atividades tais como esportes, ou adotam uma dieta saudável com o fim de favorecer a saúde.

Em relação aos fatores de riscos, as pessoas desenvolvem práticas de prevenção com o fim de evitar adoecer, por exemplo, saneamento ambiental, higiene e vacinação.

As práticas do autocuidado estão determinadas pelo conhecimento. A vontade e as condições requeridas para viver. O conhecimento e a vontade são fatores internos da pessoa e as condições para alcançar a qualidade de vida, corresponde ao médio externo dela.

 

Fatores internos ou pessoais

Os aspectos internos dependem da pessoa e determinam de uma maneira pessoal o autocuidado. Os aspectos internos são:

  1. O conhecimento: determinam em parte a adoção de práticas saudáveis, pois permitem às pessoas tomar decisões informadas e optar por práticas saudáveis ou de risco, frente ao cuidado da sua saúde.
    essenciacaoFonte: Essenciação

 

  • A vontade: como bem sabemos o ser humano é um ser sócio histórico, o qual carrega uma história de vida com valores, crenças, aprendizagens e motivações diferentes que fazem dele o que é, mas isso não implica que certas situações o mobilizem até o ponto de replantar seus hábitos, costumes ou crenças.
    vontadeFonte: Roumnsia

 

 

Fatores externos ou ambientais

Estes aspectos marcam o caminho de práticas de autocuidado, sem assegurar de que dependam deles; sendo estes os fatores do tipo cultural, político, ambiental, econômico e social;

Os fatores do tipo cultural são aqueles comportamentos das pessoas cuja base são as crenças e as tradições. 

Segundo Roux, tais comportamentos são complexos, já que involucra não somente representações imaginárias, mas também os conhecimentos acumulados, superstições e mitos compartilhados e é através deles que as pessoas interpretam os fenômenos da vida e da morte, da saúde e da doença.

Todas estas determinantes dos comportamentos que afetam a saúde são necessárias serem controladas, já que influenciam no contexto e condições de vida das pessoas, tudo, com o objetivo de seguir os pilares da promoção da saúde, definidos pela carta de Ottawa.

Portanto devemos nos dotar de habilidade para a vida, já que aquelas destrezas permitem o controle pessoal e social necessárias para um funcionamento adequado e independente.

01

Fonte: Casa de Oração Cehab

Um enfoque de Habilidades para a Vida possibilita que as pessoas adquiram as aptidões necessárias para o desenvolvimento humano e para enfrentar de forma efetiva os retos da vida diária.

Mas, O que são as habilidades para a vida?…

as habilidades para a vida são habilidades psicossociais que facilitam às pessoas controlar e dirigir suas vidas, desenvolvendo a capacidade para viver em seu entorno e alcançar que este mude” Gallego, J. (2007). A educação das habilidades para a vida busca reforçar o empoderamento das pessoas, o quer dizer, a capacidade para controlar suas próprias vidas.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) classifica as habilidades para a vida em três âmbitos,

  1. Habilidades interpessoais e para a comunicação
  2. Habilidades para a tomada de decisões e Pensamento crítico
  3. Habilidades para afrontar situações e o controle de si mesmo.

Estas habilidades são vitais para o desenvolvimento da pessoa dentro do entorno no qual se encontra imerso, já que as habilidades lhe permitem a controlar e dirigir sua vida dentro do marco do fator protetor do autocuidado.

 

Bibliografia

  1. Organización Panamericana de la Salud. Organización Mundial de la Salud; Colombia. Ministerio de la Protección Social; Colombia. Ministerio de Ambiente, Vivienda y Desarrollo Territorial (2003). Hacia una vivienda saludable: que viva mi hogar: manual para el facilitador. Bogotá, Colombia. Disponível em http://www.bivapadcolombia.org/digitalizacion/pdf/spa/doc16551/doc16551.htm
  2. Estratégia mundial sobre regímen alimentar, atividade física e saúde. Organização mundial de saúde. Disponível em http://www.who.int/dietphysicalactivity/pa/es
  3. Una alimentación saludable. Kidshealth. Extraído de http://kidshealth.org/parent/en_espanol/nutricion/habits_esp.html
  4. Recomendações mundiais sobre a atividade física para a saúde. Organização mundial de saúde. Disponível em http://www.who.int/dietphysicalactivity/factsheet_recommendations/es/index.html
  5. DE ROUX, Gustavo, Prevención de riesgos y promoción de comportamientos saludables: componentes integrales de la formación médica. En: Memorias del Seminario Nacional de Currículum: educación en Crisis. Cali (1994). Facultad de Salud Universidad del Valle.
  6. Gallego, J. Cine y habilidades para la vida: habilidades para la vida en educación para la salud. (2007). Programa Cine y Salud Diseñado por la Dirección General de Salud Pública del Gobierno de Aragón Con la colaboración de la Dirección General de Política Educativa.
  7. Tobón, O. El autocuidado una habilidad para vivir. Disponível em http://promocionsalud.ucaldas.edu.co/downloads/Revista%208_5.pdf

Views All Time
Views All Time
762
Views Today
Views Today
3

Comentários

comments