Coping: Medida de Enfrentamento de Familiares de Pacientes com Câncer

[PARTE I] Coping: Medida de Enfrentamento de Familiares de Pacientes com Câncer

156
Compartilhe
  • Este artigo é um resumo do Trabalho de Conclusão de Curso realizado e apresentado por mim ano passado (2016), link do trabalho completo em PDF.

Ao replicar ou compartilhar o conteúdo, tanto o artigo do Blog Mundo da Psicologia, quanto do trabalho original, favor colocar devidas citações/referências.

Resumo:  O impacto do adoecer e o processo de tratamento da doença são fatores que afetam diretamente a capacidade de enfrentamento, também conhecido como “Coping”. Foi analisado o enfrentamento do diagnóstico, tratamento, prognóstico da doença, antecedentes familiares diagnosticados com câncer, mudanças nas atividades do dia-a-dia dos familiares, formação religiosa e sua influência no tratamento e se o paciente possui conhecimento do diagnóstico. Assim foram verificados os possíveis fatores que influenciam negativamente, sendo eles, sentimentos de tristeza, depressão, pensamentos de falso conceito ou fantasiosos, ansiedade, medo, entre outros; e positivamente, como melhora na compreensão, enfrentamento, suporte ao familiar adoecido, reflexão sobre o processo, entre outros.

Palavras-chave: Coping; Enfrentamento; Familiares; Câncer; Psico-oncologia

O Câncer

Fonte: medicalnewstoday

Segundo Veit e Carvalho (2008), o câncer é uma doença que desencadeia comportamentos característicos. Sempre foi algo a ser escondido por vir acompanhado de muitos estigmas, como a inevitabilidade da morte e as explicações equivocadas a respeito de sua etiologia.

Câncer é estigmatizado na maioria das vezes como algo destrutivo e ruim, se tornando sinônimo de morte. Veit e Carvalho ressaltam que, o câncer também tem sido usado como metáfora de comportamentos e condições sociais que significam destruição ou desintegração moral ou social.

“Tal político é o câncer do Brasil”

Podemos perceber que:

  • É importante ressaltar a magnitude do trabalho da psico-oncologia;
  • Envolver a área interdisciplinar, o qual se configura uma equipe de saúde capacitada a atuar de forma integrada, de acordo com uma visão abrangente que não se restringe propriamente à doença, mas favorece o paciente e o meio interno e externo em que se insere;
  • É imprescindível que o familiar esteja favorecido com o apoio psicológico, pois o mesmo proporciona um suporte ao paciente a lidar com a doença e todo processo do tratamento;
  • Familiares confrontam-se com dificuldades em relação ao enfrentamento do adoecer, mudanças na dinâmica familiar, hospitalização e os cuidados referentes ao tratamento.
  • Essas dificuldades podem acarretar na vulnerabilidade emocional e frágil estado psicológico geral, que nos leva a entender melhor o enfrentamento da doença pelos familiares e levantar hipóteses para melhoria de futuros estudos e técnicas a campo.

 Coping:

Coping é interpretado como o conjunto das estratégias utilizadas pelos indivíduos para lidar com situações estressantes, crônicas ou agudas. (Antoniazzi, Dell’Aglio, & Bandeira, 1998)

As estratégias de Coping são definidas ainda como um conjunto de esforços cognitivos-comportamentais que levam o indivíduo a lidar com demandas internas e externas que surgem em situações estressantes, que sobrecarregam os recursos pessoais do indivíduo. (Folkman e Lazarus, 1984).

Objetivo da Pesquisa:

Averiguar e analisar o impacto do adoecer nos familiares de pacientes oncológicos e o enfrentamento da doença. Promovendo melhor entendimento a respeito da importância do suporte psicológico aos familiares.

–> Para acessar a continuação deste texto, por favor clique AQUI <–

Views All Time
Views All Time
259
Views Today
Views Today
2

Comentários

comments